ARPI

Poema Pandemia

Pandemia

Tanta dor e sofrimento
Coisa que já não se via
Deu cabo do nosso país
Esta maldita pandemia.

Foi notícia em todo o mundo
E já era de esperar
Deu voltas e reviravoltas
E a Portugal veio parar.

É preciso paciência
Neste mundo corrosivo
Pôr a tristeza de lado
E não perder o juízo.

Tanta gente a passar mal
Que nem dá para perceber
Perderam o seu trabalho
E não têm que comer.

Quando estas coisas acontecem
Há quem não se acabrunha
Uns vão passando fome
Outros fazendo fortuna.

Pensando bem nas notícias
Alguma coisa está mal
4897 mortes é muito
Para o nosso Portugal.

Os hospitais estão em rutura
Pessoal exausto é o que se viu
O governo pediu compreensão
Mas de nada lhe serviu.

Eu estou em quarentena
Sabe Deus até quando
Peço a Nª Senhora
Que nos vá acompanhando.

Vai o povo e a revolta
Pela sua triste sina
E com muita Esperança
Que há-de chegar a vacina.

Quando chegar esse dia
É só mentiras a rodos
O dinheiro não vai chegar
Para vacinar todos.

Primeiro vão os da linha da frente
Acho bem que seja assim
Depois para os amigos
Quando é que me chega a mim?

Hortência Pereira da Costa
2020